Uma análise da assessoria jurídica no processo de afirmação da cidadania

Tauã Lima Verdan Rangel

Resumo


É cediço que as assessorias jurídicas populares desempenham papel proeminente na conquista e promoção de uma cidadania ativa e no desenvolvimento de uma consciência crítica na população. Percebe-se, portanto, que a concepção trazida pelas AJUPs promove um embate entre a educação jurídica, comprometida com os movimentos sociais, sobretudo das camadas populares, com a educação tradicional, desvinculada das problemáticas sociais e adstrita apenas ao desenvolvimento de um conhecimento teórico e prático simulado. Trata-se, com efeito, da superação da visão peculiar brasileira que concede especial destaque para o papel desempenhado pelo Estado, o que se traduz em uma estadania (papel proeminente do Estado na construção das decisões) e uma apatia do cidadão, passando, a partir de tal realidade, valorizar a construção de uma cidadania ativa, aquela que empodera o cidadão como portador de direitos e deveres, mas, fundamentalmente, criador de direitos para abrir novos espaços de participação política. Diante do explicitado, o objetivo do presente está assentado em estabelecer uma análise acerca do papel desempenhado pela assessoria jurídica popular (AJUP) na construção da cidadania ativa

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Daniela Meirelles; CASTRO, Carolina Lescura de Carvalho; PEREIRA, José Roberto. Cidadania ou “estadania” na gestão pública brasileira. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, n. 46, v. 01, jan.-fev. 2012, p. 177-190. Disponível em: . Acesso em 05 jul. 2015.

BENEVIDES, Maria V. de Mesquita. Cidadania e Democracia. Revista Lua Nova, n. 33, 1994, p. 05-16. Disponível em: . Acesso em 05 jul. 2015.

BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 21 ed. atual. São Paulo: Editora Malheiros Ltda., 2007.

CAMPILONGO, Celso Fernandes. Assistência Jurídica e Advocacia popular: serviços legais em São Bernardo do Campo. In: O Direito na sociedade complexa. São Paulo: Max Limonad, 2000.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da Liberdade. 2 ed. São Paulo: Paz e Terra, 1969.

FRONZAGLIA, Paulo M.L. Estado, cidadania e políticas de bem-estar no Brasil: uma abordagem histórica. Revista Mackenzie, São Paulo, n. 3, B07, 2007.

HURTADO, Fernando Rojas. Comparación entre las tendências de los Servicios Legales en Norteamérica, Europa y América Latina (primeira e segunda parte). El Otro Derecho. Bogotá, ago. 1988, p. 5 - 57.

LOPES, Ana Maria D'Ávila; MAIA, Christianny Diógenes. Assessoria Jurídica Popular: Experiência Cearense. Novos Estudos Jurídicos, v. 14, n. 2, 2009, p. 196-216. Disponível em: . Acesso em 06 jul. 2015.

LUZ, Vladimir de Carvalho. Assessoria jurídica popular no Brasil: paradigmas, formação histórica e perspectivas. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

MELLUCCI, A. Social Movements and the Democratization of Everyday Life. Civil Society and the State. Londres: Verso, 1988.

PEREIRA, Helayne C. Assessoria Jurídica Popular – AJUP: aportes históricos e teórico-metodológicos para uma nova práxis extensionista em Direito. Revista Direito & Sensibilidade, 2011, p. 145-159. Disponível em: . Acesso em 05 jul. 2015.

RIBAS, Luís Otávio. “O que é assessoria jurídica popular?”. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Federal de Santa Catarina, 2009. Disponível em: . Acesso em 14 jun. 2015.

SILVA, Fábio Sá e. “‘É possível, mas agora não’: a democratização da justiça no cotidiano dos advogados populares”. In: ____________; LOPEZ, Felix Garcia; PIRES, Roberto Rocha C. Estado, Instituições e Democracia: Democracia. v. 2. Brasília: IPEA, 2010. Disponível em: . Acesso em 14 jun. 2015.

VIEIRA, Liszt. Cidadania e Sociedade Civil no espaço público democrática. Disponível em: . Acesso em 05 jul. 2015.

WOLKMER, Antônio Carlos. Introdução ao pensamento jurídico crítico. São Paulo: Saraiva, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Tauã Lima Verdan Rangel

      https://www.sumarios.org/revista/romanitas   http://www.cnen.gov.br/centro-de-informacoes-nucleares/livre

Revista Vox é uma publicação eletrônica semestral mantida pela Faculdade de Direito e Ciências Sociais do Leste de Minas (FADILESTE). ISSN: 2359-5183.
Para melhor visualização recomendamos a resolução mínima de 1024 x 768.