A psicologia e suas contribuições nas práticas jurídicas

Silvia Miranda Amorim

Resumo


A Psicologia Jurídica é uma área de estudo em expansão que analisa os aspectos psicológicos em função do jurídico. O objetivo desse artigo é abordar, em forma de revisão bibliográfica, como os estudos em Psicologia podem contribuir e serem aplicados às práticas jurídicas, bem como o desenvolvimento desses estudos com o passar do tempo e ainda a atuação do psicólogo especificamente nesse meio. Os estudos comprovam que a relação entre a Psicologia e o Direito passou por um avanço, mas que ainda é necessário qualificação e formação especifica na área. Um melhor desenvolvimento da área pode se dar por meio de mais publicações que sirvam como guia para uma atuação interdisciplinar mais embasada e coerente com os papeis exercidos por cada profissional.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Saulo de Freitas. Wilhelm Wundt e a fundação do primeiro centro internacional de formação de psicólogos. Temas em psicologia, Ribeirão Preto, v. 17, n. 1, 2009. Disponível em . acessos em 08 ago. 2014.

CALLEGARO, Marco. O Novo Inconsciente. 1.ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CARLONI, Paula Regina. A história e a constituição da Psicanálise: introdução aos principais conceitos freudianos para entender subjetividade humana. Revista Eletrônica de Educação da Faculdade Araguaia, vol.1, n.1, 2011

COLLIN, Catherine et al. O livro da Psicologia. 1.ed. São Paulo: Globo, 2012.

CRUZ, Roberto Moraes; MACIEL, Saidy Karolin. Perícia de danos psicológicos em acidentes de trabalho. Estud. pesqui. psicol., Rio de Janeiro , v. 5, n. 2, dez. 2005 . Disponível em . acessos em 08 ago. 2014.

EVANGELISTA, Roberto; MENEZES, Ivani Vareli. Avaliação do dano psicológico em perícias acidentárias. Revista IMESC, v.2, pp. 45-50, 2000.

FRANCA, Fátima. Reflexões sobre psicologia jurídica e seu panorama no Brasil. Psicol. teor. prat., São Paulo , v. 6, n. 1, jun. 2004 . Disponível em . acessos em 08 ago. 2014.

FIORELLI, José Osmir; MANIGINI, Rosana Cathya Ragazonni. Psicologia Jurídica. 1.ed. São Paulo: Atlas, 2012.

FIORELLI, José Osmir. MALHADAS JUNIOR, Marcos Julio Olivé; FIORELLI, Maria Rosa. Mediação e Solução de Conflitos: Teoria e Prática. 1.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

KNAPP, Paulo; BECK, Aaron T. Fundamentos, modelos conceituais, aplicações e pesquisa da terapia cognitiva. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo , v. 30, supl. 2, Oct. 2008 . Available from . access on 08 Aug. 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462008000600002.

LAGO, Vivian de Medeiros et al . Um breve histórico da psicologia jurídica no Brasil e seus campos de atuação. Estud. psicol. (Campinas), Campinas , v. 26, n. 4, Dec. 2009 . Available from . access on 08 Aug. 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2009000400009.

LAURO, Monalisa Maria; MARCELLOS, Cíntia Fernandes. Entrevista com Horst Gundlach. Psicologia em Pesquisa, 6(2), pp.190-192, 2012.

MESSA, Alcione Aparecida. Psicologia Jurídica. São Paulo: Atlas, 2010.

MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de direito civil – Direito de família. 37 ed. São Paulo: Saraiva, 2004.

PELISOLI, Cátula; GAVA, Lara Lages; DELL'AGLIO, Débora Dalbosco. Psicologia jurídica e tomada de decisão em situações envolvendo abuso sexual infantil. Psico-USF, Itatiba , v. 16, n. 3, Dec. 2011 . Available from . access on 08 Aug. 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712011000300009

POPOLO, Juan H. del. Psicologia judicial. Mendonza: Ediciones Juridicas Cuyo, 1996.

TABORDA, José; CHALUB, Miguel; & ABDALA-FILHO, Elias. Psiquiatria forense. 2.ed., Porto Alegre: Artmed, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Silvia Miranda Amorim

      https://www.sumarios.org/revista/romanitas   http://www.cnen.gov.br/centro-de-informacoes-nucleares/livre

Revista Vox é uma publicação eletrônica semestral mantida pela Faculdade de Direito e Ciências Sociais do Leste de Minas (FADILESTE). ISSN: 2359-5183.
Para melhor visualização recomendamos a resolução mínima de 1024 x 768.