Mediação na economia popular e solidária: uma prática democrática-autogestionária

Vera Leticia de Oliveira Silva

Resumo


Os grupos informais Coopermasol e Sabores passam por processo de incubação junto à Incubadora de Iniciativas da Economia Popular e Solidária, desenvolvendo suas atividades de produção e comercialização de alimentos da culinária regional sob os princípios da Economia Popular e Solidária. No entanto, a tentativa de produzir sob a perspectiva dos ideais cooperativistas e autogestionários numa sociedade pouco solidária, revela-se um árduo caminho. É nesse contexto que se dá o surgimento de conflitos decorrentes da falta de preparo para lidar, sob a ótica da solidariedade, com a grande diversidade de interesses, perfis e aspirações e com o desafio de dividir com igualdade as decisões, o trabalho e seus rendimentos. Assim, a pacificação de conflitos mostrou-se como uma importante etapa para a consolidação dos trabalhos dos grupos. Apesar de a pesquisa encontrar-se em andamento, já foi possível constatar que o estudo da mediação, apresenta grande identidade com os ideais da Economia Popular e Solidária, cedendo horizontalidade à resolução dos conflitos, visto que os integrantes não se enfrentam para solucionar os conflitos, mas sim, se solidarizam, reconhecendo o problema e buscando uma solução criativa e satisfatória para todos envolvidos.


Texto completo:

PDF

Referências


BASTOS, Simone de A. R. A Análise do Conflito. Apostila do Curso de Resolução de Conflitos para Representantes de Empresas. ENAM, 2014.

BEZERRA, Tássio. A mediação enquanto instrumento de emancipação da cidadania e de democratização da justiça e do direito. Revista Direito e Sensibilidade, n. 1, v. 1, Brasília, 2011. Disponível em: . Acesso em: 02 fev .2015.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues; BORGES, Maristela Correia. A pesquisa participante: um momento da educação popular. Revista Edição Popular, Uberlândia, v. 6, p.51-62. jan./dez. 2007.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à Justiça. Tradução Ellen Gracie. Northfleet. Porto Alegre: Fabris, 1988.

Incubadora de Iniciativas da Economia Popular e Solidária da Universidade Estadual de Feira de Santana – IEPS/UEFS. Projeto Cantina Solidária. Feira de Santana, BA, 2014.

NUNES, Debora, MALTCHEFF, Ivan. Os novos coletivos cidadãos. Simões Filho: Editora Kalango, 2014.

QUIJANO, Aníbal. "Bien vivir": entre el "desarrollo" y la des/colonialidad del poder. Ecuador Debate. Acerca del Buen Vivir, Quito, Centro Andino de Acción Popular CAAP, n. 84, pp. 77-87, dez. 2011.

REBOUÇAS, Gabriela Maia. Tramas entre Subjetividades e Direito: A Constituição do Sujeito em Michel Foucault e os Sistemas de Resolução de Conflitos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

SINGER, Paul. Introdução à Economia Solidária. 1. ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2013.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da Pesquisa-ação. 18ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.

VEZZULA, Juan Carlos. Teoria e Prática da Mediação. Curitiba: IMAB, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Vera Leticia de Oliveira Silva

      https://www.sumarios.org/revista/romanitas   http://www.cnen.gov.br/centro-de-informacoes-nucleares/livre

Revista Vox é uma publicação eletrônica semestral mantida pela Faculdade de Direito e Ciências Sociais do Leste de Minas (FADILESTE). ISSN: 2359-5183.
Para melhor visualização recomendamos a resolução mínima de 1024 x 768.