Limpando o terreno: estudo epistemológico da relação ciência jurídica e proteção jurídica do trabalho associado

Hudson Silva dos Santos, Carla Appollinário de Castro

Resumo


A proposta deste trabalho é esboçar uma aproximação inicial sobre a forma de abordar – do ponto de vista teórico-metodológico – a proteção social do trabalho associado, a partir da ciência jurídica. Para cumprir o objetivo aqui proposto, com base em uma abordagem qualitativa, utilizaremos as reflexões de Michel Miaille (1994) sobre os obstáculos epistemológicos à constituição de uma ciência jurídica. O estudo está estruturado nos seguintes tópicos: apresentação e problematização do objeto: proteção social do trabalho associado, e análise da relação estabelecida entre epistemologia e ciência jurídica, a partir de Michel Miaille (1994).

Texto completo:

PDF

Referências


ANJOS, Eliene Gomes dos. Cooperativas de trabalho: constituição do trabalho associado ou precarização do trabalho assalariado? In: III Simpósio Lutas Sociais na América Latina, 2008.

BACHELARD, Gaston. La formation de l’espirit scientifique. 5º Ed. Paris: Librairie philosophique J. Vrin, 1967.

BARBOSA, Rosangela Nair de Carvalho. Trabalho e economia solidária: crítica ao empreendedorismo como possibilidade histórica. In: FRANCISCO, Elaine Marlova Venzon e ALMEIDA, Carla Cristina Lima de (Orgs.). Trabalho, território, cultura: novos prismas para o debate das políticas públicas. São Paulo: Cortez, 2007, p. 79-98.

BRASIL. Decreto-Lei 5.452, de 1º de maio de 1943. Consolidação das Leis do Trabalho. Brasília, DF, 1943.

GAIGER, Luiz Inácio Germany (Coord.); KUYVEN, Patrícia Sorgatto; OGANDO, Cláudio Barcelos; KAPPES, Sylvio Antonio; SILVA; Jardel Knech. A economia solidária no Brasil: uma análise de dados nacionais. São Leopoldo: Oikos, 2014.

GODINHO, Maurício Delgado. Curso de Direito do Trabalho. 12ª Ed. São Paulo: Ltr, 2012.

LESSA, Sérgio. Trabalho associado e revolução proletária. 2010. In: Novos Temas, n. 5/6, 2011/2012.

LIMA, Jacob Carlos. Paradoxos do trabalho associado. In: Tempo Social (USP), v. 21, p. 113-132, 2009.

LIMA, José Raimundo Oliveira. A Economia Popular e Solidária como estratégia para o desenvolvimento local solidário. Tese (Doutorado). Universidade Estadual da Bahia, 2014.

MARX, Karl. Contribuições à crítica da economia política. 2º Ed. São Paulo: Expressão Popular. 2008.

MIAILLE, Michel. Introdução crítica ao direito. 2º Ed. Lisboa: Editorial Estampa, 1994.

PAGOTTO, Claudete. Produção associada na era da precarização estrutural: uma análise da atuação das cooperativas de trabalho. Tese (Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, 2010.

SENAES/MTE. Atlas da Economia Solidária no Brasil 2005-2007. Brasília: 2009.

_______. Pelo direito de produzir e viver em cooperação de maneira sustentável. II Conferência Nacional de Economia Solidária, Documento Final, 2010.

_______. Sistema Nacional de Informações em Economia Solidária (2009-2013). Atlas Digital da Economia Solidária: dados do segundo mapeamento nacional de empreendimentos econômicos solidários. 2013. Disponível em: . Acesso em: 15.01.2015.

SINGER, Paul. Economia Solidária: um modo de produção e distribuição. In: SINGER, Paul; SOUZA, André Ricardo de (orgs.). A Economia Solidária no Brasil – a autogestão como resposta ao desemprego. São Paulo: Contexto, 2003a.

_______. Introdução à Economia Solidária. 1º ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003b.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Hudson Silva dos Santos, Carla Appollinário de Castro

      https://www.sumarios.org/revista/romanitas   http://www.cnen.gov.br/centro-de-informacoes-nucleares/livre

Revista Vox é uma publicação eletrônica semestral mantida pela Faculdade de Direito e Ciências Sociais do Leste de Minas (FADILESTE). ISSN: 2359-5183.
Para melhor visualização recomendamos a resolução mínima de 1024 x 768.