Trabalho informal no Brasil: uma questão de “opção”?

Hudson S. dos Santos, Márcia C.S. de Oliveira

Resumo


O presente artigo pretende compreender o fenômeno do trabalho informal na realidade brasileira, tendo em vista a necessidade de retomar o estudo da temática no atual cenário de crise econômica, momento em que a contradição da relação capital-trabalho se intensifica e promove uma ambígua oportunidade. Para tanto, com base em uma abordagem qualitativa, utilizam-se a revisão de literatura e dados oficiais sobre o mercado de trabalho no Brasil. O estudo, que compõe uma agenda de pesquisa sobre as reconfigurações do mundo do trabalho contemporâneo, estrutura-se da seguinte forma: (1) apresentação dos principais entendimentos sobre trabalho informal; (2) apresentação do histórico de regulamentação do trabalho; (3) análise do trabalho informal na realidade brasileira e seu significado no processo de acumulação capitalista.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Ricardo. Dimensões da precarização estrutural do trabalho. In: DRUCK, Graça; FRANCO, Tânia (Orgs.) A perda da razão social do trabalho: terceirização e precarização. São Paulo: Boitempo, 2007: 13-22.

_________. Os modos de ser da informalidade: rumo a uma nova era da precarização estrutural do trabalho? In: Serviço Social & Sociedade. São Paulo: nº107, jul./set. 2011: 405-419.

BARRETO, Théo da Rocha. Trabalhadores informais e desempregados: a precarização como homogeneização “sui generis” na formação dos “sem emprego” – um estudo sobre as trajetórias de trabalhadores informais e desempregados na Região Metropolitana de Salvador, no final do século XX. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal da Bahia, 2005.

BORGES, Ângela. Mercado de trabalho: mais de uma década de precarização. In: DRUCK, Graça; FRANCO, Tânia (Orgs.). A perda da razão social do trabalho: terceirização e precarização. São Paulo: Boitempo, 2007: 81-94.

CACCIAMALI, Maria Cristina. Globalização e processo de informalidade. In: Economia e Sociedade, Campinas, v. 9, nº 1, 2000: 153-174, – ou (14), junho de 2000: 153-174.

_______. Um estudo sobre o setor informal urbano e formas de participação na produção. Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo, 1982.

DRUCK, Maria da Graça. Terceirização: (des)fordizando a fábrica – um estudo do complexo petroquímico. Salvador: Boitempo, 2001.

_______; OLIVEIRA, Luiz Paulo. A condição “provisória permanente” dos trabalhadores informais: o caso dos trabalhadores de rua da cidade de Salvador. In: XIII Congresso Brasileiro de Sociologia, 2007.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua. Maio a julho, 2015.

_________. Síntese de Indicadores Sociais – uma análise das condições de vida da população brasileira 2012. 2012.

FILGUEIRAS, Luiz A. M.; DRUCK, Graça; AMARAL, Manoela Falcão do. O conceito de informalidade: um exercício de aplicação empírica. In: Caderno CRH, Salvador, v. 17, nº 41: 221-229, maio/agosto de 2004.

FRANCO, T; DRUCK, G. O trabalho contemporâneo no Brasil: terceirização e precarização. In: Seminário Fundacentro. Salvador, 2009.

MALAGUTI, Manoel Luiz. Crítica à razão informal: a imaterialidade do salariado. São Paulo: Boitempo; Vitória: EDUFES, 2000.

NAVES, Márcio Bilharinho. Marxismo e Direito – um estudo sobre Pachukanis. São Paulo: Boitempo, 2000.

OLIVEIRA, Francisco. A economia brasileira: crítica à razão dualista. In: Estudos CEBRAP, n.2, 1972.

PACHUKANIS, Evgeny Bronislavovich. Teoria Geral do Direito e Marxismo. São Paulo: Editora Acadêmica, 1988.

POCHMANN, Marcio. As atividades informacionais têm sido tradicionalmente identificadas no Brasil como as práticas de trabalho mais relacionadas à luta pela sobrevivência. Revista Forum. São Paulo, 2012. Disponível em: http://revistaforum.com.br/blog/2012/02 informalidade-reconfigurada-2/. Acesso em: 17.09.2015.

RAMOS FILHO, Wilson. A terceirização do trabalho no Brasil: perspectivas e possibilidades para uma revisão da jurisprudência. In: Revista Fórum Trabalhista. Belo Horizonte: Fórum, ano 3, nº 15, nov/dez, 2014: 157-187.

SANTOS, Geórgia Patrícia Guimarães dos. Desemprego, informalidade e precariedade: a situação do mercado de trabalho no Brasil pós-1990. In: Pro-Posições. Campinas: Edunicamp, v. 19, n. 2 (56), maio/ago, 2008: 151-161.

SARAIVA, Alessandra; MARTINS, Diogo. País ainda tem 44,2 milhões de trabalhadores informais, estima o IBGE. Disponível em: http://www.valor.com.br/brasil/2919914/pais -ainda-tem-442-milhoes-de-trabalhadores-informais-estima-o-ibge. Acesso em: 20.08.2015.

SILVA, Sayonara Grillo Coutinho Leonardo. Relações coletivas de trabalho: processos constitutivos e fundamentos conceituais. In: ____. Relações coletivas de trabalho: configurações institucionais no Brasil contemporânea. Rio de Janeiro: LTr, 2008: 42-85.

TAVARES, Maria Augusta. Trabalho informal: os fios (in)visíveis da produção capitalista. In: Revista Outubro, nº 7. São Paulo: 2002: 49-60.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Hudson S. dos Santos, Márcia C.S. de Oliveira

      https://www.sumarios.org/revista/romanitas   http://www.cnen.gov.br/centro-de-informacoes-nucleares/livre

Revista Vox é uma publicação eletrônica semestral mantida pela Faculdade de Direito e Ciências Sociais do Leste de Minas (FADILESTE). ISSN: 2359-5183.
Para melhor visualização recomendamos a resolução mínima de 1024 x 768.